Dinheiro na viagem. Confira dicas de como usar sua grana na trip.

Dinheiro na viagem. Confira dicas de como usar sua grana na trip.

14 de março de 2018 Sem categoria 0

 

 

Você se programou o ano todo, comprou passagens, fez o roteiro, procurou hespedagem econômica, avisou aos amigos, postou no insta, juntou as economias e agora…tá na hora de pegar a estrada.

Uma das principais preocupações quando o assunto é esse é: como eu vou organizar meu dinheiro durante a viagem? De fato, existem vários fatores que influenciam essa tomada de decisão e você deve levar todos a sério: como e pra onde você vai, quanto você tem, se aceitam ou não cartão no destino.

Principalmente, quando se viaja pelo Brasil, um país tão grande e com tantas diferenças, é bem legal se programar. Separamos algumas considerações e dicas espertas pra você não ser nem Tio Patinhas demais, nem perder toda a sua grana no primeiro destino.

Aqui você vai encontrar: dinheiro na viagem, viagem pelo Brasil, como economizar na viagem.

 

Primeiro: qual o seu destino?

Cidades grandes, geralmente, têm uma configuração parecida, mas cada uma tem suas peculiaridades. De uma forma geral, a maioria delas têm estabelecimentos que aceitam várias formas de pagamento, como cartão de crédito, débito e dinheiro em espécie. Em hotéis e hostels, recomenda-se o uso do cartão de crédito para cadastrar a reserva. Você pode até pagar em dinheiro em alguns locais, mas muitos pedem o cartão.

Cidades menores ou do interior devem ser olhadas com mais cuidado. É bem comum que alguns interiores não tenham caixas eletrônicos (ATMs) ou mesmo não aceitem cartão de crédito ou débito. Se você for ao Marajó, no Pará, por exemplo,  pode encontrar certos locais que não têm a opção de sacar dinheiro. Assim, levar sua grana já contada e trocada pode ser uma boa ideia.

 

Vem de fora?

Você saiu do país e agora está voltando? Conhece algum amigo que está vindo de fora? Então: depois de verificar pra onde no Brasil está indo, essa é a segunda decisão – trocar o dinheiro fora do Brasil ou no país? Isso vai variar de onde se está vindo.

Vamos dar um bom exemplo: quem vem da Guiana Francesa pra Amazônia deve trocar o Real por lá, não aqui no nosso país: alguns viajantes relatam dificuldades de encontrar casas de câmbio no interior. Pesquise bem o destino e a cotação do real em relação à moeda que você está trazendo.

 

 

Dinheiro Virtual

Cartão de crédito: em alguns lugares ele vai ser como sua identidade. Com ele, é mais fácil também controlar os gastos – com uso de aplicativo do banco, por exemplo. Na hora de exagerar um pouco nas lembranças ele também pode ser bem-vindo!

Cartão de débito: passou, o dinheiro saiu da conta. É uma forma segura de levar sua grana. É só contar com a programação prévia: saiba de quanto vai precisar na viagem, ponha na conta e corra pro abraço. Com a função de saque, ele também é uma mão na roda se o dinheiro físico acabar.

Cartões pré-pagos: pensando ainda em quem está entrando no Brasil, esta pode ser uma linda opção: a pessoa deposita o dinheiro na moeda do país de que está saindo e saca em caixas eletrônicos com moeda local. Cartões como esse são próprios pra uso no exterior e perfeito para quem está entrando no Brasil. Um exemplo é o Cart Comte-Nickel.

 

Dinheiro Físico

Dinheiro Real: pode acreditar, tem locais que aceitam somente cartões. Mas dinheiro, principalmente em feiras e cidades do interior é muito bem-vindo, obrigado. O ideal é que você leve a menor quantia possível, mas adequada ao seu planejamento.

Doleira: você já deve ter visto aquelas bolsinhas que a gente coloca por baixo da roupa. Então, ela é es-sen-cial se você for viajar pelo Brasil (por qualquer lugar do mundo, na verdade). Você encontra em feiras, lojas de bagagem, ou seja – é bem fácil de achar. Ela garante segurança e praticidade na hora de usar dinheiro físico.

 

A doleira é ideal pra levar dinheiro com segurança

Western Union: ainda pra quem vem de fora – casas como a Western Union permitem que dinheiro seja transferido de um país para outro e o viajante possa sacar. Funciona como um banco, com algumas agências espalhadas pelo país, que você pode encontrar aqui.

 

Economia na viagem

Por último, mas não menos importante, vamos falar de economia. Essa parte da relação com a grana deve começar na hora de preparar o roteiro.

 

  • Passagem: dentro do Brasil, pode ser a parte mais cara. Em geral, as companhias aéreas fazem promoções nos fins de semana e anunciam na sexta-feira. É bom ficar ligado nas pricipais: LATAM, Gol e Azul. A gente recomenda também apps de monitoramento, como o KAYAK, que foi citado em nosso post 6 apps que você deve ter na hora de viajar com a família.

 

  • Organização: isso você tem que ter na viagem toda, mas, uma dica: comece pelo roteiro. Mapeie as cidades, as hospedagens, os locais onde vai comer, se vai comprar comida no supermercado. Tenha uma agenda com cada item descriminado, com o valor. Assim, fica mais fácil ter uma visão geral do que vai gastar e aonde economizar.

 

  • Hospedagem: deve ser confortável, mas sempre, sempre econômica. Nesse quesito, temos os hostels e as casas alugadas (como exemplo o AirBnB). Verifique a quantidade de dias que você vai passar, quantas pessoas vão com você, se é mais vantajoso comer fora ou comprar produtos em feiras locais para preparar na cozinha. Hotéis não oferecem essa possibilidade de utilização da cozinha, como os hostels e as casas de aluguel.

 

Dinheiro é bom para levar a gente aos lugares que a gente quer conhecer, então dê sempre prioridade para as experiências nos locais, leve lembranças pra família, claro, mas não precisa exagerar; economize em hospedagem e curta mesmo conhecendo mais lugares e pessoas.

Tá pensando em passear pelo Brasil, né? A gente falou aqui no post 4 lugares incríveis pra você conhecer.

Já decidiu por Belém? Tem dúvidas? Então, fique à vontade para tirá-las com a nossa recepção.

 

Deixe uma resposta