A deliciosa viagem de Belém à Ilha do Combu

A deliciosa viagem de Belém à Ilha do Combu

19 de março de 2018 Sem categoria 0

 

 

Quando você chegar a Belém, vai sentir o calor do povo, das ruas, do próprio clima da Amazônia. E vai perceber a beleza urbana e como a cidade respira história, vai curtir a culinária e cada cantinho.

E, depois, vai ser hora de explorar Belém além do rio. Além da margem. Existem muitos passeios bacanas a serem feitos. Um deles é a Ilha do Combu – ideal para começar, já que é super perto de Belém, barato de ir e lindíssimo.

Segue o barco pra conhecer como chegar, quando ir, o que comer, o que levar…de Belém ao Combu tem muita água e beleza.

Aqui você encontra mais sobre: rios amazônicos, ilhas na Amazônia, culinária paraense.

 

Onde é a Ilha do Combu?

A Ilha do Combu é uma das 42 ilhas que formam o arquipélago da Região Metropolitana de Belém. Está a 15 minutos da capital paraense – a travessia de barco  é super tranquila. São aproximadamente 2 km de distância. 

 

Como ir à Ilha à Ilha do Combu?

Para sair de Belém, você vai se dirigir à Praça Princesa Isabel, que fica na Av. Bernardo Sayão, logo no final da Alcindo Cacela. É uma praça que tem estacionamento, então, caso você tenha alugado um carro ao chegar em Belém, fica tudo mais fácil: pode deixar estacionado (o valor é de aproximadamente R$10).

De lá saem várias embarcações – várias mesmo – que chegam até à Ilha do Combu. O percurso até a primeira parada – no restaurante Saldosa Maloca (é com “L”mesmo, galera) – custa R$5. Caso você queira ir adiante, entrar no que se chama por aqui de furo (um “bracinho” de rio que adentra a Ilha), combine com o piloto ou sua equipe. Só a experiência do Saldosa já é bem legal, mas lá pra dentro tem muuuita coisa.

 

Por que ir ao Combu?

São tantos atrativos – e, com certeza, quando você for vai achar tantos outros – que é difícil escolher. Mas, vamos lá.

  1. Uma mini experiência do que é navegar nos rios da Amazônia: se você quer explorar viagens mais longas como Belém-Santarém, Belém-Marajó, dá pra ter uma prévia do que é se aventurar pelas águas amazônicas.
  2. Flora e fauna: se você é amante da natureza, vai ficar boquiaberto com a imensidão do Rio Guamá e a variedade da flora na Ilha. Os pássaros também são algo a parte.
  3. Refresque-se: Belém é uma cidade quente. Se você chegar na alta temporada, no meio do ano (junho a agosto) então…pode pegar temperaturas a 35, 36 graus. Além disso, por o clima ser úmido, o calor tende a ser mais “abafado”. Por isso, jogue-se no rio. Chegando à Ilha, é possível se divertir na água, segurando-se nos píeres dos restaurantes.
  4. Comida: Por falar em restaurantes, a culinária é um capítulo à parte. Por aqui, tem diversos estabelecimentos – tanto pra sentar e beber uma cerveja quanto para se jogar nas iguarias da terra. Vai ser uma verdadeira experiência: comer filhote (um delicioso pexe da região), tomar açaí com tapioca, degustar camarão…hummm.
  5. Chocolate do Combu: na Ilha existe uma pequena fábrica de chocolate totalmente produzido por moradores do local.
  6. Cultura: Na Ilha do Combu moram cidadãos paraenses que se denominam ribeirinhos – isso por que moram em suas casas, em frente aos rios. Aqui o rio é parte da cultura local – ao invés de carros em ruas, locomove-se em embarcações sobre água. Aproveite pra bater um papo e conhecer mais sobre a localidade, os paraenses são muito hospitaleiros.
  7. Pôr-do-sol: é es-pe-ta-cu-lar. Após chegar antes do almoço e se deliciar com a refeição e a sobremesa num dos restaurantes, pular no rio e se refrescar, comer chocolate do combu, sente-se no trapiche e apenas aprecie o sol se pondo. Você nunca mais vai esquecer. Sério.

 

Quando ir à Ilha do Combu?

A gente recomenda que você vá à Ilha do Combu do meio pro fim da manhã. Isso por que o sol deve estar um pouco mais brando. Além disso, é interessante chegar perto do horário do almoço para degustar as iguarias.

Aproveite e fique a tarde inteira! Principalmente se você tomar açaí, vai dar aquela vontade de ficar de preguicinha…alguns restaurantes possuem até rede para os clientes descansarem depois da refeição. Ah, a chuva que cai à tarde na cidade levanta um cheirinho gostoso de terra molhada. Convidativo.

Em relação à época do ano: evite ir em épocas muito chuvosas. Ok, em Belém chove quase todo dia, mas as chuvas de meio do ano são mais amenas, o sol sai mais bonito.

 

Onde comer na Ilha?

A Ilha do Combu tem muitas opções mas vamos de um clássico e um mais recente e badalado: Saldosa Maloca e Chalé da Ilha, respectivamente.

Nos dois, você consegue experimentar peixes regionais e curtir uma área de lazer bem gostosa. Quem viaja com criança pode ficar descansado: tem espaço pra elas também.

Saldosa Maloca: Fica bem na entrada do furo. É o primeiro e mais tradicional restaurante da Ilha. Funciona de 10h às 17h. Contato: (91) 99982-3396

Chalé da Ilha: o restaurante e fica quase no fim do furo, um dos últimos. Tem rede pra descansar, espaço pra jogar bola e dá pra tomar banho de rio (existe salva-vidas no local). Funciona de 10h às 18h. Contato: (91) 98736-7701

Ah, não deixe de conhecer a fábrica de chocolate orgânico Filha do Combu. Tudo é feito por lá: desde a plantação do cacau até a preparação de brigadeiros, nibs, doces. Vale a pena. Está aberto para visitação (além de venda do chocolate, claro) de quinta a segunda, das 9h às 17h. Contato: (91)99616.0648.

Como voltar?

Como os restaurantes fecham próximo do escurecer, é nesse horário que as embarcações começam a partir da Ilha, levando os turistas de volta. Então, programe-se: se estiver lá no final do furo, pegue a embarcação que pode lhe deixar na beira da Ilha (Saldosa Maloca) ou até Belém. Fique de olho  na movimentação para não ficar por último.

Chegando na Praça Princesa Isabel, só pegar seu carro que ficou estacionado. Se estiver de ônibus, há paradas ao longo da Alcindo Cacela. Apenas tenha cuidado com o horário: a área próxima à praça, no bairro Condor, não é tão segura, principalmente para quem não é da cidade.

Vem curtir a Ilha. É parte essencial da sua viagem à Belém. Se quiser saber mais sobre viagens pelos rios da Amazônia, clica aqui. E se já decidiu vir pra cá pra Belém, conheça nossos quartos privativos para grupos, quartos privativos para casal, dormitório feminino e dormitórios mistos.

 

Deixe uma resposta